Sem os sonhos, sem as utopias, a realidade tende a fossilizar-se em formas esgotadas.

“Prólogo a Nimbos, de José Diaz Castro”, em Letras galegas, 1984, AGAL, p. 310

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Este sítio web utiliza 'cookies' próprias e de outrem. Ao premir aceitar, concordas com isto.